10/13/2007

Estação Autódromo, saiba usá-la

Será que essa estalçao funciona? Saiba onde fica e cuidado...

- Circulando por blogs durante a semana ví muitos elogios à nova "Estação Autódromo", da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos", e em alguns entrei na onda e elogiei também.

- Sou um entusiasta da cidade de São Paulo e também dos transportes coletivos, conheço a história, detalhes, e alguns pormenores. Mas algumas coisas não são fáceis de se aceitar.

- Primeiro: O Blog do Fábio Seixas descobriu e confirmou que a "Ponte Orca", um sistema gratuito de vans que integra a linha ferro com a linha metroviária não funcionará no final de semana do GP. Ok, normalmente o serviço não funciona aos finais de semana, mas em ocasiões como essa não podemos abrir mão de um luxo como esse.

- A sugestão de Seixas então foi mesmo ir de carro. Certo, as estações da Marginal Pinheiros prepararão bolsões de estacionamento e até compensa deixar o veículo por lá e pegar o trem até Interlagos, afinal de contas, é na junção obrigatória da avenidas Interlagos e Nações Unidas que o trânsito para. Resolvido? Não...

- Depende muito de qual setor você utilizará para assistir ao GP, as ilustrações abaixo, retiradas do próprio site da CPTM mostram que para quem assistirá o GP na parte de trás do circuito é uma boa, são apenas 600 metros, mas como a estação ficou extremamente mal posicionada, quem entrará pela parte da frente terá de enfrentar uma looonga caminhada. Veja você mesmo e clique para ampliar:


- A estação está alocada em uma área complicadíssima da cidade então, além de disso, se você é daqueles que gosta de assistir toda e qualquer categoria, cuidado. A região não é das mais amistosas, a segurança deve funcionar apenas durante as "festividades" da Fórmula-1 e da "Stock Car".

- Por quê isso? Porquê ao contrário de outros países essa linha não foi feita para atender um ponto turístico, e sim uma região carente da cidade, o que não tem nada de errado. Mas para chegar até onde chegava antigamente, no Jardim Varginha, a CPTM utilizou a antiga rota de trens da extinta FEPASA, uma linha simples que foi duplicada apenas para a nova obra e que nos seus últimos anos de vida vivia uma situação tão precária que a passagem do usuário nem era cobrada.

- Surreal? Não, isso acontece até hoje em mais uma linha da cidade, entre Itapevi e Amador Bueno, se você quer andar de trem de graça é só pegar essa linha, sem saber quais motivos o levaria até lá.

- Isso tudo acontece porquê a CPTM não e uma boa gestora para nosso sistema de transportes por trilhos. Enquanto se preocupa apenas com a modernidade das estações se esquece que a cidade de São Paulo tem lugares muito importantes que são esquecidas pelas pessoas por não terem a mínima condição de acesso.

- Quem conhece um pouco da nossa história ferroviária já deve ter ouvido falar de Paranapiacaba, uma cidade histórica, onde você se sente na Inglaterra antiga e do alto do mirante pode ver as praias de Santos do alto da Serra do Mar, uma das visões mais lindas que já tive na vida. Me senti um jesuíta. Mas a única forma de se chegar à Paranapiacaba era via trem, e por razões comerciais a "linha D" agora não chega até lá. Triste... tão triste quando fazer propoaganda em cima de uma estação que não funcionará como prometem... aonde vamos parar!!!

1 comentários:

grünwald disse...

Dessa vez está um pouco mais difícil defender a cidade...