7/06/2008

Fábrica de heróis e vilões

Chuva segue produzindo ídolos e destruindo oportunidades na Fórmula-1...


- Muitas pessoas gostam de comparar a presença da chuva em uma corrida de Fórmula-1 à uma disputa de penaltys no futebol. Com isso me lembro de um repórter - Luis Carlos Quartarolo, da Jovem Pan - que sempre que chega o momento da primeira cobrança ele diz sua célebre frase: "Vai começar a disputa de penaltys, uma eterna fábrica de heróis e vilões". É o que me lembra a chuva também, corroborando com a opinião daqueles que gostam da comparação. Hoje no Grande Prêmio da Grã Bretanha não foi diferente.

Vilões:

- A lista de vilões é sempre grande. Muitos rodam, outros batem, equipes arriscam na estratégia e botam tudo a perder. Hoje vimos as inúmeras rodadas de Massa, Webber, Kovalainen, Raikkonen, entre outros. Até Nelsinho Piquet, que fazia uma excelente corrida rodou quando ocupava uma boa quarta colocação após, mais uma vez, ultrapassar Fernando Alonso em pista. A Ferrari também errou ao não trocar os pneus de Massa e Raikkonen em suas primeiras paradas mesmo sabendo que a chuva estava novamente por vir.

- Esse erro da Ferrari tirou das mãos de Raikkonen a chance de vencer após ele ter feito sua parada junto à Hamilton, podendo assumir mesmo com a segunda colocação a liderança do campeonato. Massa então, que já estava mal, perdeu a chance de se recuperar a fazer um pontinho que fosse.

Heróis:

- Mas a lista de heróis geralmente é menor gratificante pois alguém sempre se destaca em maio ao caos. Podemos começar hoje por Lewis Hamilton, soberbo em sua participação na prova de hoje quando partiu da quarta para a segunda colocação logo na largada - aproveitando-se da ajuda de Mark Webber - passou o companheiro Heikki Kovalainen e depois só fez abrir distância para os demais. Assim ele voltou à liderança do mundial 2008 de Fórmula-1. Em companhia de Massa e Raikkonen, é verdade, mas com vantagem no desempate com os rivais.

- E o que dizer da excelente dobradinha Ross Brawn/Rubens Barrichello no dia de hoje? Os dois entraram para a lista de heróis do domingo após uma excelente sintonia entre eles com a situação que estava por vir. Conforme a pista molhou com o aumento da chuva Ross chamou seus dois pilotos para o pit. O carro de Barrichello ficou 20 segundos parado no pit e mesmo assim, caindo para a nona posição - pois seu desempenho já o havia colocado em sexto - ele ultrapassou um a um na pista até chegar na segunda colocação com o bote na BMW de Heidfeld. Na sequência ele parou no pit para colocar pneus intermediários mas sua vantagem para os demais era tão grande que ele voltou em quarto e em uma volta ultrapassou Jarno Trulli e recuperou o terceiro posto. Pódio para ele depois de três anos.

Conclusão

- E assim o mundial 2008 tem Hamilton, Massa e Raikkonen empatados em 48 pontos e Kubica logo atrás com 46. A Ferrari perdeu a chance de ver Massa conquistando pelo menos um ponto, que o garantiria na liderança do mundial, ou de ver Raikkonen, que poderia se isolar na condição com o segundo posto. Robert Kubica também poderia ter saído de Silverstone líder da competição não fosse um erro cometido por ele que o levou à caixa de brita quando era quarto colocado.

- E onde tem herói e vilão tem vítima: Robert Kubica, Jenson Button, Nelson Piquet, Giancarlo Fisichella, Adrian Sutil, Sebastian Vettel e David Coulthard não sobreviveram à tradicional chuva inglesa.

- É... chuva na Fórmula-1 tem mesmo o dom de fabricar heróis e vilões.

2 comentários:

Ron Groo disse...

voce não esta já com vontade de ver uma corrida em condições normais? é barbeiragem é chuva... já ta cansando...

Garcia disse...

HAHAHAHAHA

Digamos que as coisas estão um pouco mais naturais... aquela história de carros completamente robotizados era meio mentirosa, não?