7/30/2008

Foi na Hungria

Relembre a quase vitória de Damon Hill de Arrows em Hungaroring, 1997...



- Outrora moderno e impressionante, o circuito de Hungaroring em Budapeste hoje é considerado um palco sem graça em comparação aos outros que recebem corridas de Fórmula-1. Com a evolução dos carros o circuito se tornou apertado e de quase impossíveis ultrapassagens. E mesmo assim os pilotos gostam de lá, seja pelas maravilhas da cidade ou pelo quão desafiante ainda é a pista, onde os pilotos mal tem retas para descansar e o Sol impera quente nessa época do ano.

- Mesmo asem graça, Hungaroring é um lugar capaz de produzir momentos inesquecíveis para a história da Fórmula-1. Quem acompanha a Fórmula-1 de perto já deve ter visto a espetacular ultrapassagem de Nelson Piquet sobre Ayrton Senna por fora, com o carro saindo de traseira, que é considerada por muitos a melhor ultrapassagem da história.

- Recentemente quero lembrar três fatos.

- No ano passado em meio à disputa interna entre Fernando Alonso e Lewis Hamilton na McLaren o piloto espanhol parou seu carro à frente do inglês nos últimos momentos do treino classificatório e não saiu até ter a certeza que o estreante/rival não conseguiria abrir sua última volta. Um momento digno das grandes sujeiras de Michael Schumacher, igualmente genial porém.

- Quem não se lembra também da prova de 2007, única da história com chuva na Hungria, onde o inglês Jenson Button acabou levando a equipe Honda à sua primeira vitória na fase moderna com amplo domínio em uma prova disputadíssima e linda de se ver?

- E para encerrar a triste prova realizada em 1997. O atual campeão mundial Damon Hill não havia conseguido se manter na Williams e disputada a temporada pela fraca Arrows. Em Hungaroring piloto e equipe acertaram a mão e ele fez sua melhor prova do ano quando era líder com mais de 30 segundos para Jacques Villeneuve - que viria a se sagrar campeão ao final da temporada. Porém, faltando 3 voltas para o final um problema hidráulico, que atingiu aceleração e câmbio simplesmente impediu que ele mantivesse o ritmo nas voltas finais e toda a diferença dele para o canadense foi para o espaço.

- Na abertura da última volta o grande pecado aconteceu. Para tristeza de um público abismado com a prova de Hill, Jacques Villeneuve - colocado duas rodas na terra - assumiu a liderança e conquistou a vitória. O inglês do carro número 1 ainda chegou em segundo lugar e resgatou a expressão criada pelo técnico da seleção brasileira de 1978 sendo o "campeão moral" do dia. Confira no vídeo acima a "vitória" de Damon Hill com sua Arrows.

- Ou seja, por mais que não possamos esperar uma grande corrida, Hungaroring é um lugar místico que a qualquer momento pode deixar boquiaberto o mundo da Fórmula-1.

2 comentários:

Ron Groo disse...

O Damon foi isto mesmo...
Um campeão quase legal...
Um corredor quase bom...
Um sujeito quase boa gente...
E quase parecido com o Oswaldo Montenegro hoje...

Carlos Garcia disse...

Mas que essa derrota foi um pecado isso foi, hahahaha...