5/19/2008

Acelerando um Punto em Interlagos

Sim, é verdade, andei em Interlagos...

Foto: Divulgação

- Todo mundo que trabalha cobrindo ou simplesmente comentando automobilismo é tido por todo mundo como um piloto frustrado. Vem daí muitas vezes a nossa capacidade de criticar ferozmente alguns profissionais sem a menor dó. Tudo isso porque não sabemos como é estar em um autódromo de verdade acelerando um carro de verdade.

- O "Quatro Rodas Experience" proporciona essa possibilidade a quem gosta de carros. Além de inúmeras outras atrações - que você pode conferir no site www.qrx.com.br - 10 montadoras colocam carros à disposição para test drive no traçado do autódromo de Interlagos. Na última sexta feira aconteceu a apresentação do evento à imprensa e eu fui realizar um sonho que era dirigir mesmo que lentamente no autódromo. Dirigi três carros e literalmente pilotei um deles, confira minha experiência. Sempre bom lembrar que a bordo do carro também estava um instrutor em todas as ocasiões que, entre outras coisas, me dizia onde frear e onde iniciar e terminar a tangência de cada curva. Bom lembrar também que não sou especializado em comentários de carros de rua, minha opinião é a de um motorista apaixonado por direção.

Hyundai Tucson:

- A primeira experiência foi com uma "Hyundai Tucson", um veículo grande e automático com um motor 2.7 com um leve bloco de alumínio e belo torque. Um bom carro para se fazer um reconhecimento de traçado. Na primeira volta o instrutor já me avisou que com aquele carro não poderíamos passar dos 100Km/h nas retas, uma maravilha para quem sempre teve vontade de fazer o que eu estava fazendo.

- Na segunda volta um leve susto. Entrei um pouco pesado demais no "S do Senna" - quem diria que eu narraria uma experiência dessas - e foi preciso um leve toque no freio que, claro, fez o carro balançar. Com uma leve risada o instrutor me pediu para não frear na curva pois o carro tem controle de tração - sim, o mesmo que foi banido da Fórmula-1.

- O que eu fiz então na terceira volta foi a mesma coisa, entrar um pouco cheio para sentir o comportamento do "TC". Impressionante... a única coisa que ele não faz é corrigir a minha rota, mas a compensação da aceleração e a forma como ele a distribui independentemente entre as rodas pode ser sentida quando o carro recupera a estabilidade em plena curva.

- Resumindo é um belo carro, exageradamente confortável e com uma ergonomia bem ajustada para pessoas de diversos tamanhos. E assim eu debutei no circuito de Interlagos.

Meriva Premium Easytronic:

- A primeira vez que entrei em uma Meriva foi como passageiro de um táxi, os profissionais dessa área adoram esse carro. Eu também gostei pois me senti extremamente confortável neste carro. Aceitei de bom grado a sugestão para dirigir o modelo Premium Easytronic.

- O lado do motorista não é a mesma maravilha. A ergonomia até que é interessante, me senti bem no início mas a coluna do carro cria um ponto cego do lado esquerdo à frente. Para você poder ter uma idéia do que senti, em determinado momento o instrutor pediu que eu avançasse mais para cima da zebra porém eu não a enxergava, ou seja, a coluna do carro bloqueava minha visão do chão impedindo que eu enxergasse um animal de pequeno porte, por exemplo.

- O carro tem boa potência para quem gosta de pegar estrada em alta velocidade, mas o câmbio não me agradou muito. A troca de marchas é demorada e o modo easytronic - seqüencial sem o uso da empreagem - tem um leve delay, o que me incomodou um pouco. A velocidade permitida era 130 km/h, que não era facilmente atingida.

Fiat Punto Turbo:

- O Fiat Punto nunca me chamou muito atenção. Quando disseram que o único carro disponível no meu terceiro test drive era o Punto fui meio cabisbaixo. Quando fiquei sabendo que o carro era 1.4 quase desisti, afinal de contas eu estava em um autódromo. Foi bom pelo menos saber que ele era turbo.

- O Fiat Punto que estava em Interlagos segundo os boatos era um Punto Sport - o mesmo que pode-se encontrar no Brasil - com o motor do turbo europeu. Ao entrar no carro me surpreendi com sua ergonomia. Tudo dentro do carro é muito bonito, desde o painel até os pedais e a manopla de câmbio, ou seja, o primeiro contato foi bom. Destaque para o espaço interno, bem maior que rivais de sua categoria como o Ford Ka e Chevrolet Celta. Passageiros que viajam atrás continuam confortáveis e com as pernas quase esticadas.

- Partindo para o que interessa o instrutor me disse a seguinte frase: "Na primeira volta a velocidade máxima é 130 km/h, dependendo do seu comportamento depois podemos fazer um pouco mais" - bom sinal. Já na primeira volta, da saída dos boxes até a freada da reta oposta eu já me surpreendi pois tinha atingido os 130. O carro tem um torque fenomenal, uma relação de marchas que privilegia o desempenho e provavelmente devido a seu tamanho e aerodinâmica uma agilidade sem tamanho.

- Cada curva era uma emoção pois o carro freia gostoso entra nas curvas muito bem e permite boa aceleração ainda inclinado. Depois de dois carros automáticos eu realmente estava andando bem. Outros dois Punto estavam à minha frente, um eu passei na primeira volta pois o motorista não estava afim de aproveitar o desempenho do carrinho, eu estava.

- Depois de já ter andado com dois carros no dia eu já estava apaixanado pelo "Mergulho", curva cega para a esquerda feita em aceleração após o "Bico de Pato" e foi lá que na minha segunda volta comecei a sentir momentos de pura emoção. Mesmo acelerando o carro estava grudado no chão e na freada da Junção eu já estava próximo ao outro Punto que estava à minha frente. Foi quando o instrutor me disse: "agora acelera".

- Para quem conhece o traçado de Interlagos, mesmo em simuladores, sabe que o trecho à seguir é todo feito em subida até a entrada da reta dos boxes. Pois quando o trecho de aclive terminou aquele foguetinho já acusava 165Km/h no velocímetro. Pode não ser uma velocidade espantosa, mas tudo isso foi feito em um trecho que definitivamente não privilegia a aceleração e caso eu continuasse acelerando até o "S" chegaria nos 200, essa é minha impressão. Ah, e o outro Punto não quis acelerar tanto, ficou para trás. Sai do carro dizendo: "puxa, hoje posso dizer que pilotei em Interlagos".

- Bem, no fim das contas tudo me agradou no carro e se fosse possível eu compraria um Fiat Punto ainda essa semana. Como não é possível eu aguardo até a próxima oportunidade de dirigir um.

Citroen Pallas Exclusive:

- Depois da adrenalina vivida à bordo de um carro turbo pequeno o conforto novamente caiu em minhas mãos com o Citroen Pallas Exclusive. O Pallas é o carro que Jack Bauer andou pelas ruas de São Paulo quando veio gravar o comercial do veículo, ou seja, o garoto propaganda já é um cara de respeito.

- Quem me conhece sabe que nunca fui fã de carro sedã de porte grande mas quando entrei no Pallas Exclusive por pouco não virei para o lado e dormi. Tédio? que nada, é o banco deste carro é mais confortável que a cama onde durmo todos os dias, se eu tivesse tempo de tirar um cochilo antes do teste talvez eu me livrasse de algumas dores nas costas. Fora o silêncio.

- A primeira volta é de muito cuidado, as curvas do miolo de Interlagos são muito fechadas - já estou falando como quem conhece bem a pista - e é estranho imaginar um carro daquele tamanho fazendo bem aquele trecho. Um protótipo encostou em mim e queria passar de qualquer jeito, foi aí que descobri outra grande virtude do Citroen Pallas Exclusive.

- Após a freada da "Curva da Junção" pisei forte no pedal do acelerador ainda em modo automático e o protótipo que estava atrás de mim se transformou em um pequeno ponto no belo retrovisor de "meu" carro, como tem torque esse grandão. A reta dos boxes foi feita a mais de 150Km/h e mesmo assim não se ouvia nada de motor dentro do carro.

- A segunda volta lenta por conta de um carro à frente - que também ficou para trás após a curva da Junção - e a terceira volta foi boa para que eu pudesse sentir o comportamento do câmbio seqüencial e também o real comportamento dele em curvas.

- Na "Curva do Sol", que também é feita em aceleração o carro se comportou muito bem, sem sair da linha em momento nenhum. A resposta do câmbio tem um leve delay mas que não chega a incomodar devido ao excelente torque e potência do motor. Na curvas lentas pude explorar bem a troca entre os dois lados da pista e o carro apesar de grande não balança mesmo em curvas mais agressivas.

- Se eu fosse agente da "Unidade Contra Terroristas" sem dúvida nenhuma depois de salvar os
Estados Unidos eu buscaria o conforto de um Citroen Pallas Exclusive.

Abraços

- Especiais para Babi Franzin, Carlos Eduardo Mattos, Dani, Rodrigo Steigmann e Victor Berto, excelentes companhias no evento.

3 comentários:

Ron Groo disse...

Você acelerou em Interlagos? Ah! Cê ta dizendo isto para deixar a gente babando... E um punto ainda? Que carrão!
Tá melhor da virose?

Babi disse...

Ae Garcia, finalmente postou sobre o evento, hein? Hahahahaha.
Eu tb tomei vergonha na cara e resolvi falar do QRX. Ah, obrigada por ser a primeira da lista a receber os abraços, aeuhauehauehau

Beijos

Rodrigo Steigmann disse...

Belos textos, Garcia! Já publiquei alguns no Velocidade.org, dê uma passada lá.
Abraços!

Rodrigo Steigmann